Confederação de Turismo pede esclarecimentos a Bolsonaro sobre declaração que valida o comércio sexual no Brasil

A Confederação Nacional dos Trabalhadores em Turismo e Hospitalidade (CONTRATUH) informa que gostaria de ouvir do presidente Jair Bolsonaro maiores explicações sobre sua declaração, afirmando que “quem quiser vir aqui fazer sexo com uma mulher, fique à vontade. Agora, não pode ficar conhecido como paraíso do mundo gay aqui dentro”. Em um primeiro momento, entende-se ser uma fala homofóbica e machista, que desrespeita a população brasileira e incentiva o turismo sexual e a violência contra a mulher.

Esta entidade, que representa mais de quatro milhões de trabalhadoras e trabalhadores do setor, que em sua maioria são de mulheres, luta por políticas públicas em favor do setor de Turismo e se mostra perplexa com a possibilidade de um chefe de nação estar validando esse tipo de atividade repulsiva e ilegal, que só traz violência e exploração ao Brasil, ao invés de incentivar e criar medidas que fomente o turismo nosso país.

A CONTRATUH sempre atuou em campanhas contra o turismo sexual, com papel fundamental no apoio ao Disque Denúncia 180, que tem por objetivo repreender este tipo de crime. Esta confederação valoriza e prioriza as pautas femininas e, além disso, trabalha para conscientizar as trabalhadoras filiadas ao grupo Turismo e Hospitalidade realizando anualmente o Seminário Nacional “Viver Mulher”, programa que virou referência para o movimento sindical brasileiro pela formação de milhares de mulheres.

Nosso país já enfrenta problemas demais acerca do tema, como o alto índice de feminicídio, por isso entendemos que seja inadmissível que o próprio presidente valide a ideia de que nossas mulheres estão abertas ao turismo sexual. Levantamento feito pela empresa Axur mostra que existem mais de três mil sites, em diversas línguas, associando o Brasil à pornografia ou vendendo nosso país como um bom destino para o turismo sexual. Nosso trabalho é de combate, não de apoio a este tipo de comércio!

Temos leis contra o turismo sexual, exploração sexual de crianças e adolescentes e o tráfico de pessoas, mas precisamos, sobretudo, de avanços para que elas sejam completas e contemplem não apenas a punição, mas também a prevenção a esses tipos de crimes. Acreditamos que só a luta incansável da população e do Estado Brasileiro poderá sanar os interesses escusos de estrangeiros sobre nosso povo, sobretudo nossas mulheres e crianças.

Nossa batalha também é contra este tipo nocivo de atividade e cobraremos do Ministério do Turismo ações cada vez mais eficazes para a erradicação deste tipo de exploração, que é passível de prisão e não é bem-vinda em terras brasileiras.

Continuaremos na luta pelo turismo sustentável e gerador de renda e emprego, que alavanca o Brasil, valoriza mulheres e homens e nossa cultura plural. Repudiamos veementemente qualquer ato que deixe as brasileiras em situação de risco e violência. Porque somente Juntos Somos Fortes!

Wilson Pereira – Presidente da CONTRATUH