ASSÉDIO SEXUAL NO TRABALHO NO SETOR DE COMIDAS  RÁPIDAS TEM CONFERÊNCIA INTERNACIONAL

Compartilhe:

 Organizado pela UITA – Unión International de Trabajadores/as de la Alimentación, Agricultura, Hotelería Restaurantes, Catering, Tabaco y Afines, nesta segunda-feira (21/09) aconteceu a Conferência Internacional onde participaram representantes dos trabalhadores de diversos países do mundo. O evento teve como objetivo tratar o assédio sexual nos locais de trabalho de comida rápida, mais voltado para o setor de fast food.

A CONTRATUH – Confederação Nacional dos Trabalhadores em Turismo e Hospitalidade, foi representada por seus presidente e vice-presidente, Wilson Pereira e Moacyr Roberto Tesch Auersvald.

Os depoimentos das representações de vários países apontaram que o problema do assédio sexual e violência de gênero no setor é extremamente elevado. O número de mulheres submetidas a comportamentos sexuais indesejados no local de trabalho tem uma escala alarmante em todo o mundo e está relacionada a falta de denúncias pelas mulheres assediadas, que sofrem pelo medo de perderem seus empregos. Os EUA têm um índice preocupante com essa prática nas mais diversas atividades, inclusive no setor de fast food, o que preocupa especialistas e entidades de representação dos trabalhadores.

Os diretores da CONTRATUH falaram sobre os problemas que ocorrem no Brasil e observaram a dificuldade de se obter provas concretas fundamentais para o ajuizamento de ações mais diretas, principalmente pela falta de denúncia por parte das trabalhadoras. Os representantes da Confederação destacaram as campanhas que a entidade realiza em defesa das mulheres em todo o país com o objetivo de preservar a intimidade feminina em todos os aspectos, e que a entidade, desde sua fundação em 1988, sempre combateu qualquer tipo de discriminação, inclusive o turismo sexual. Além das atuações quando comprovado o assédio no local de trabalho, orientando os sindicatos filiados a levarem o caso para o MPT – Ministério Público do Trabalho, ajuizando ações com assistência sindical na Justiça do Trabalho.

Os participantes do evento definiram que as entidades sindicais irão implementar mais ações para coibir os casos, que são muitos em todo o mundo.