Dia da Consciência Negra

Compartilhe:

Uma data para homenagear e lembrar Zumbi dos Palmares, o líder do Quilombo, assassinado no dia 20 de novembro de 1695 pelas tropas coloniais brasileira.

Em 1971, um grupo de quilombolas no Rio Grande do Sul cunhou a data como o Dia da Consciência Negra e em 1978 surgiu o Movimento Negro Unificado do País que fez valer a representatividade da data e a transformou em nacional.

A partir daí, anualmente, a data se tornou não só em um dia para homenagear o líder Zumbi da época dos quilombos que é uma referência de luta contra o racismo, mas também um marco pela luta dos direitos e preservação da cultura e trajetória dos negros no Brasil.

A Lei Federal 12.519 de 2011 institui o 20 de novembro como Dia Nacional da Consciência Negra, devendo assim ser adotado como feriado conforme leis municipais.

A luta pela liberdade dos negros brasileiros jamais deixou de ser expressiva e de fundamental importância para a história desse país, que, de acordo com o IBGE, tem uma população de quase 100 milhões de pessoas que se declaram negras ou pardas.

A Confederação Nacional dos Trabalhadores em Turismo e Hospitalidade – CONTRATUH tem como uma de suas bandeiras a luta contra o racismo, à discriminação e o preconceito. “Trabalhar contra a discriminação e desigualdade racial no Brasil é uma tarefa difícil, mas acreditamos que com respeito mútuo e o envolvimento de todos poderemos conquistar uma sociedade mais justa e igualitária.

Estamos juntos com todos os trabalhadores da área de turismo e hospitalidade que celebram essa data”, destacou o presidente da entidade, Wilson Pereira.

16 dias de ativismo

Sempre engajada nas questões sociais e de igualdade de direitos, a Confederação Nacional dos Trabalhadores em Turismo e Hospitalidade (CONTRATUH), participa da Campanha Mundial “16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra a Mulher”, uma realização da  CLAMU, órgão da UITA que discute os direitos e o combate à violência contra a mulher.

No Brasil, a Campanha acontece de 20 de novembro a 10 de dezembro, apesar de ser chamada de “16 Dias de Ativismo”, pois inclui o Dia da Consciência Negra, considerando a dupla vulnerabilidade da mulher negra. A Campanha Mundial busca conscientizar a população sobre os diferentes tipos de agressão contra meninas e mulheres em todo o mundo. Trata-se de uma mobilização anual, empreendida por diversos atores da sociedade civil e do poder público.