Número de pacientes graves internados em UTI por coronavírus cresce 42% em um dia, diz secretário da Saúde de SP

Compartilhe:

O secretário estadual da Saúde, José Henrique Germann, disse na tarde desta quinta-feira que os casos de pacientes graves internados em Unidades de Terapia Intensiva (UTI) após serem infectados pela Covid-19 aumentaram 42% em 24 horas no estado de São Paulo.

Segundo o balanço divulgado nesta quinta (26), o estado tem 84 pacientes em UTIs, entre hospitais particulares e públicos. São 862 casos confirmados e 48 mortes em SP.

“Os pacientes graves internados em UTI são agora 84. Neste último dia houve um acréscimo de 42%. Isso é mais ou menos característico da epidemia, ela tem dias de mais acréscimo e dias de menos acréscimo. Mas ela vem crescendo, o que mostra talvez para nós que as medidas de restrição de mobilidade estão sendo suficientes ou, pelo menos colaborando de forma bastante efetiva, para que a gente tenha 862 casos”, afirmou Germann.

De acordo com ele, esse crescimento de mortos e pacientes graves é característico de uma epidemia. “Nós éramos praticamente 90% dos casos do Brasil e agora nós somos 30% dos casos do Brasil. O que significa que existe uma expansão da epidemia de forma acelerada. Se nós formos olhar o número de óbitos, nós tivemos no Brasil 57 óbitos, infelizmente, e no estado de São Paulo, 48. No estado de São Paulo ontem eu anunciei 40 óbitos, então, tivemos um acréscimo de 20% no número de óbitos”, disse. Representantes do comitê estadual de combate ao novo coronavírus em São Paulo afirmam que as medidas de restrição de circulação adotadas nas últimas semanas foram eficazes e ajudaram a conter a curva de crescimento de casos confirmados no estado. Segundo Helena Sato, médica que coordena o comitê, “muito provavelmente haveria um número muito maior [de casos] se as nossas famílias não estivessem em casa.”

O estado de São Paulo adota estratégias de restrição de circulação contra o coronavírus desde 16 de março. Em pronunciamento na terça-feira (24), o presidente Jair Bolsonaro criticou medidas de isolamento adotadas por estados e municípios. Na quarta-feira (25), Bolsonaro discutiu com o governador de São Paulo, João Doria.

Nesta quinta, o secretário de Saúde de São Paulo explicou que as medidas adotadas no estado não são equivalentes à quarentena. “O que estamos fazendo não é um isolamento, o que nós estamos fazendo é um distanciamento social. O próximo passo, se houver necessidade, seria o isolamento domiciliar ou social. Ou, se houver necessidade de apertar mais ainda o cinto, aí seria o lockdown, com a característica de uso da força policial para manter as pessoas em casa. Não estamos nesta situação ainda”, disse José Henrique Germann.
“Se nós mantivermos os idosos em casa, tal qual um lockdown, nós teremos um comportamento da crise que talvez nos favoreça para não colapsar o sistema de saúde. Por isso eu gostaria de enfatizar o fique em casa”, completou.

Segundo Helena Sato, diretora do Centro de Vigilância Epidemiológica (CVE), o aumento o número de casos em São Paulo seria maior sem as medidas de restrição de circulação.

“O que a gente tem observado? Que os casos estão aumentando, agora, muito provavelmente a gente teria um número muito maior se as nossas famílias não estivessem em casa. Uma determinação que a gente já vem tomando há algumas semanas”.

Viaturas contra o coronavírus

Na coletiva, Doria disse ainda que pode orientar as polícias do estado a abordar pessoas com mais de 60 anos circulando pelas cidades. Se nós continuarmos vendo em ruas, vendo em áreas de circulação pessoas que visivelmente têm mais de 60 anos, elas poderão ser abordadas por policiais da Polícia Militar do estado de São Paulo, no âmbito de todo estado como poderão ser abordados também por agentes da Guarda Civil Metropolitana recomendando também que sigam para suas casas”, disse Doria.

“Já temos um número expressivo de veículos, mais de 70 veículos da Polícia Militar com alto-falantes circulando desde a última sexta-feira pelas áreas mais adensadas da população pedindo que as pessoas com mais de 60 anos fiquem em casa”, completou.

Na capital as medidas de restrição de circulação causaram uma queda de mais de 35% no movimento de passageiros de ônibus da SPTrans.

48 mortes em SP

Subiu para 48 o número de mortes pelo novo coronavírus no estado de São Paulo, segundo balanço do Ministério da Saúde divulgado nesta quarta-feira (25). O total de óbitos aumentou 20% de terça (24) para quarta-feira. O estado tem ainda 862 casos confirmados. A letalidade da doença em SP é de cerca de 5,5%.

Em todo o Brasil, são 2.433 casos confirmados e 57 óbitos, de acordo com a pasta.

De acordo com a secretaria estadual da Saúde, dentre os oito novos óbitos confirmados, há seis homens (75, 82, 72, 98, 80 e 70 anos) e duas mulheres (de 87 e 52 anos). A mulher de 51 tinha comorbidades (doenças prévias). Pessoas com comorbidades e idosos estão no grupo de risco da Covid-19.

Do total de mortes registradas até o momento em SP, 45 ocorreram em hospitais privados e três em hospitais do SUS (Sistema Único de Saúde).

Os 862 casos confirmados estão espalhados por 30 cidades do estado de São Paulo. A capital paulista tem 722 casos, e é seguida por São Caetano do Sul, com 16 casos, e São Bernardo, com 13 casos confirmados. Cotia tem 6 casos confirmados e Guarulhos tem 5. Os outros municípios têm entre 1 e 4 casos cada.

Na terça-feira (24) o estado de São Paulo havia confirmado dez óbitos: seis são homens (71, 75, 79, 80, 89 e 93 anos) e quatro mulheres (48, 65, 84 e 85).

Pela primeira vez foram registradas mortes fora da capital paulista, em cidades da Grande São Paulo. A mulher de 48 anos tinha comorbidades (problemas de saúde prévios) e era de Vargem Grande Paulista. As outras cidades da Grande São Paulo com registro de óbitos foram Guarulhos (mulher, 85 anos), Taboão da Serra (mulher, 84) e Osasco (homem, 79).

O balanço do ministério aponta ainda que o Brasil tem 57 mortes pelo novo coronavírus. As outras mortes ocorreram no estado do Rio de Janeiro, que teve seis óbitos, e em Pernambuco, que registou a primeira morte nesta quarta, além de Rio Grande do Sul e Amazonas, com um óbito cada.

Fonte: Globo